Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

mesmo sítio de sempre.

mesmo sítio de sempre.

hipocondria #1

Há mais ou menos um mês apareceu-me um inchaço num dos dedos da mão direita e, a acrescentar a isso, há também várias zonas dessa mesma mão que ficam negras, não sei porquê.

Não tenho dor alguma, nem me parece ser infeção pois não vejo nenhuma ferida nem absolutamente nada. E, como nunca me doeu deixei andar... 

Já fui ao hospital e marcaram-me uma consulta na especialidade para segunda-feira.

Não faço ideia do que é ou possa ser, mas o que mais detesto é que as pessoas sabem como eu sou e ainda conseguem alarmar-me mais.

Uma pessoa hipocondríaca como eu, fica em estado de alarme com isto e é incrível como quase todas as pessoas à minha volta conseguem fazer tudo menos descansar-me.

Eu contei a algumas pessoas, outras souberam por terceiros, toda a gente vem ter comigo porque quer ver e todos dizem o mesmo: "Aii que estranho!!", "Não te dói? Credo, não sei se isso é bom ou mau.", "Ui isso 'tá feio, vai masé ver disso!", "Olha que isso é muito estranho, não sei do que possa ser, mas pode ser grave." etc. etc. etc.

Tenho de agradecer à maioria das pessoas por cultivarem ainda mais a minha hipocondria. É que não entendem.

Que isto sim, é algo que me tira o sono e em vez de me dizerem "Isso não é nada!" teimam em fazer má cara. Gostava que acreditassem que realmente não é nada e ainda que não acreditassem, pelo menos, me tranquilizassem.

Até agora, eu posso contar pelos dedos de uma mão ( e ainda sobra ) as pessoas que o conseguiram fazer. Não é desvalorizar aquilo que tenho e que é visível, mas sim desvalorizar aquilo que eu acredito que possa ter.

Só gostava que me ajudassem a tranquilizar-me porque eu não sei fazê-lo sozinha. E mesmo que eu hoje tenha todos os sintomas do mundo e que esses sintomas, amanhã, venham a revelar realmente uma doença, só queria que me fizessem acreditar que hoje não tenho nada. Porque ao menos, até ao dia de me cair a ficha, eu conseguirei dormir. 

Eu odeio pessoas dramáticas, talvez porque eu já o seja em demasia (no que toca a mim).

Quanto a mim, não esperem que chore convosco quando acharem terem uma doença, ou mesmo quando a tiverem. Porque isso não vai acontecer. Chorar eu choro sozinha, mas nos momentos difíceis terei sempre o maior sorriso para oferecer e segurança no conforto que ofereço, como ainda há um mês atrás tive de fazer.

Só queria esperar o mesmo do mundo. Do que me rodeia.

Obrigada à minha família e ao meu amor por me manterem sempre a sorrir. 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D