Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

mesmo sítio de sempre.

mesmo sítio de sempre.

hoje o mundo veste azul, branco e vermelho.

Sinto-me triste como há muito tempo não sentia. Este tipo de acontecimentos deixam um imenso vazio no meu coração, uma revolta, uma falta de compreensão pura.

Pensei em quão mortífero pode ser sair de casa para ver um concerto de um banda que gosto, ou um jogo do clube que gosto. É insano, eu fico doente só de pensar.

Fico doente ao tentar imaginar imagens na minha cabeça de indivíduos a chegarem com armas e a dispararem para todo o lado. 

"Eles estão a matar tudo. Um por um" - Este cenário só de pensar devasta-me completamente.

Depois penso no quão injusto tudo isto é. No quão injusto é morrerem dezenas de pessoas sem terem culpa de nada, pessoas que simplesmente se estavam a divertir numa sexta-feira à noite. Depois os terroristas são suicidas, quer dizer, eles não se importam de morrer como é que se importarão de matar?

Isto transcende a minha capacidade mental de racicínio, não consigo pensar de forma direita. 

Como é que estas pessoas existem, como é que elas não sentem nada quado estão a acabar com tantas vidas, com tantas famílias.

Como é que as famílias das vítimas podem viver com isto? Não dá para aceitar a morte, esta morte. Não foi natural, não foi acidental, não foi fruto de uma catástrofe ambiental. Ela foi planeada, organizada deliberadamente para afetar pessoas que nunca fizeram nada que gerasse tal ódio.

Simplesmente não faz sentido.

E isto toca-me muito. Faz-me rezar e faz-me chorar e faz-me não conseguir dormir. Faz-me apertos no peito.

Quando eu vejo todos a colocarem no facebook a bandeira de França e a escrever "Pray for Paris" eu não consigo ver isso como algo que soe a falso ou hipócrita como vejo tanta gente criticar. A sério, as pessoas fazem isso porque, perante um desastre desta dimensão simplesmente não há forma de ficarmos indiferentes. Não existe maneira de fugir a um sentimento triste mesmo que não seja vivido com tanta intensidade como eu sinto que sinto. De facto, tudo é pouco ou até mesmo nada para quem está a viver este horror e nós só podemos demonstrar que também sentimos a sua dor, que não somos indiferentes, que aquilo que aconteceu em França também nos feriu nos chocou, como acredito que choque qualquer ser-humano.

Hoje o mundo não veste negro. Hoje o mundo veste azul, branco e vermelho. Hoje somos todos franceses sim. Sentimos e partilhamos todos da sua dor.

Não consigo dizer mais nada.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D