Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

mesmo sítio de sempre.

mesmo sítio de sempre.

no caminho da (in)justiça.

Ela calava-se e contia-se à espera que o silêncio rasgasse o ambiente quando já lhe faltara as forças para a luta.

Até que ponto é justo lutar pela justiça? - pergunta-se.

Um dia ensinaram-lhe que a verdade é uma estrada sem caminhos, só que há quem não caminhe lá.

Ela debate-se com a injustiça e abate-se no incorformismo da norma. Nunca quis viver num mundo onde a norma fosse a mentira, e não aceita, que quem a rodeia a veja e não oiça quem se queixa.

Ela diz que é imoral. Pior que habitar no mal é aceitá-lo, pior que o injusto ser normal é apoiá-lo, pior que o engano ser natural é aprová-lo , e ela diz que pior que ser frontal é discordar mas tolerá-lo.

Dizem-lhe que na vida, por toda a parte se encontra quem prefira a ilusão da mentira, mas ela não entende. O ilusório nunca a seduziu, porque ela, nela, e em ela, sempre existiu a vontade de palpar o que lutou para que fosse seu. Suou, chorou, sangrou na luta, e na conquista nem sempre havia uma taça que pudesse erguer, mas ela conhece cada triunfo que mantém dentro de si.

Ela também é boa condutora, mas nunca soube dar boleias. Não é que ela não saiba o caminho até ao destino, não. Ela só acha que o sítio onde quer chegar tem lugares reservados. E há quem se esfole no entretanto a tentar lá chegar. E ela nunca foi cúmplice da cunha. 

EU.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D